Quando a economia está ruim, o consumo de álcool cresce | VEJA.com

O abuso de álcool aumenta quando as condições macroeconômicas se deterioram, segundo mostrou um estudo da Universidade de Miami. Segundo o especialista em saúde econômica, Michael T. French, o consumo excessivo de bebida alcoólica cresceu junto com as taxas de desemprego. O número de pessoas que dirigiam embriagadas ou que se tornavam dependentes da bebida também aumentou nos dois sexos e em todos os grupos étnicos estudados.

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Macroeconomic Conditions and Excessive Alcohol Consumption

Onde foi divulgada: revista Health Economics

Quem fez: Michael T. French

Instituição: Universidade de Miami e Universidade de Colorado, Estados Unidos

Dados de amostragem: análises de dados entre 2001 e 2005

Resultado: O consumo abusivo de álcool aumenta quando as condições econômicas de um país pioram. Anteriormente, acreditava-se que, durante as crises, os comportamentos do gênero diminuíam.

Pesquisas anteriores sugeriam, porém, que os níveis de saúde da população melhoravam durante uma recessão econômica. Segundo esses estudos, a falta de dinheiro impedia que as pessoas tivessem comportamentos potencialmente insalubres – como beber em excesso. O que não é verdade, segundo os pesquisadores.

“Nosso estudo é oportuno, tecnicamente avançado e original”, diz French, coordenador do estudo. “Somos um dos primeiros a mostrar que, apesar de ter uma menor renda durante uma crise econômica, as pessoas ainda aumentam o consumo ou têm comportamentos arriscados relacionados à bebida”, diz.

Os resultados mostraram que pessoas que tinham filhos e eram casadas tinham mais problemas com o abuso de álcool e dependência. O consumo excessivo de álcool aumentava de acordo com o nível educacional e rendimento dos pesquisados. O estudo indica ainda que até mesmo os indivíduos que estão empregados estão mais sujeitos a beber de depois dirigir se estão passando por uma crise econômica. “É possível explicar isso se pensarmos que mesmo os indivíduos que têm um trabalho podem ser afetados psicologicamente por uma recessão econômica, por exemplo, com o medo de perder o emprego”, diz French.

Para o estudo, os pesquisadores analisaram dados entre 2001 e 2005 – os mais recentes com esse tipo de informação. Eles incluíram ainda medidas como abuso de álcool e dependência, que não estavam contempladas nos estudos anteriores. A pesquisa foi publicada no periódico Health Economics.

Fonte: Quando a economia está ruim, o consumo de álcool cresce | VEJA.com

Deixe seu comentário